«
»
I hope he'll be ok
“Sabe, essa semana como de costume escrevi vários textos em folhas de caderno, deixei-os espalhados pela mesa na esperança de que alguém os pegasse para ler, mas não, na verdade quem eu queria mesmo que lesse era você. Queria que soubesse o quanto eu estava tentando me afastar, o quão triste eu estava por estar sendo tratada como simples opção. Minhas palavras pareciam despedidas, estavam tristes e bem formais. Tentei em meio as frases fazer com se sentisse culpado por não estar presente aqui cuidando de mim assim como eu gostaria de poder cuidar de você. Procurei por carinho em outras pessoas, um carinho que só você sabe me dar. Desculpa amor, foi atitude precipitada, sou egoísta, compulsiva, eu sei. Mas ao mesmo tempo, sou masoquista, estou investindo todo um tempo que pode não se repetir em uma coisa que pode não dar certo. Mas esquece, se achar algum retalho de papel sobre a mesa, queima. Desisti de partir, só deixei a porta aberta porque a vontade não passou. E estou aqui ainda, só por mais um tempo, vou esperar anoitecer pra ver você chegar e se não chegar, talvez eu amanheça aqui querendo te ter de volta. Só não enrola muito, não demora, uma hora cansa e faz ir embora.“
(Para fazer alguma pergunta, elogio ou crítica, ou até mesmo para ter acesso ao meu Facebook posicione o mouse sobre e foto ao lado esquerdo!)
« theme por heyilove »
“Foi apenas um toque, um beijo e um perfume que não era meu na minha roupa. E algumas lembranças de você sorrindo. Era tudo que eu tinha de você, e você tinha tudo de mim, tudo.”
A culpa é mesmo das estrelas?   (via revejo)

Posted 21 hours ago with 1,371 notes
Originally alentador

“Se tudo passa talvez você passe por aqui e me faça esquecer tudo que eu fiz.”
Engenheiros do Hawaii.  (via revejo)

Posted 21 hours ago with 2,599 notes
Originally anteciparam


Posted 21 hours ago with 473 notes
Originally mebeijadlc

Para um bom entendedor apenas um dia sem responder já basta.


Posted 21 hours ago with 821 notes
Originally vodkaeputaria

“Eu realmente acredito que, embora o amor possa ferir, ele também seja capaz de curar.”
Nicholas Sparks.  (via revejo)

Posted 21 hours ago with 6,471 notes
Originally delator

“Infelizmente, não posso te carregar no colo. Suas culpas são pesadas como chumbo, sua bagagem não cabe nas minhas costas, seu passado escapa das minhas mãos. O máximo que posso fazer é andar ao seu lado, mas para isso você precisa querer caminhar. Quem fica parado não constrói nenhuma história.”
Clarissa Corrêa. (via revejo)

Posted 21 hours ago with 2,511 notes
Originally floreamar


Posted 21 hours ago with 397 notes
Originally betinareali

“Você pode conhecer vinte caras bonitos e que te entendem muito bem, dez caras legais que cuidam de você como se fosse um diamante precioso, uns outros tantos inteligentes, atraentes, bacanas e engraçados em ordem aleatória. Nenhum deles te encanta. Por que? Falta o tão chamado click, aquele jeito especial que ninguém explica. Pode ser o jeito de mexer no cabelo, a forma como ele te olha, que conversa contigo ou até mesmo um jeito secreto que nem o profeta mais sábio percebe, mas que está lá, você pode ver. Entre tantos milhares, talvez um ou outro se salve ao filtro do ‘jeito’, e daí você percebe: é esse que eu quero abraçar e não largar mais, com quem eu quero me enrolar embaixo de cobertores e com quem eu quero dividir todos meus segredos. Baseado no que? Num jeito inexplicável ao resto do mundo.”
Martha Medeiros.  (via menina—confusa)



Posted 21 hours ago with 210 notes
Originally dooceano


Posted 21 hours ago with 24,326 notes
Originally couple-platonic


Posted 21 hours ago with 18,618 notes
Originally browndresswithwhitedots


Posted 21 hours ago with 832,058 notes
Originally renovador

“É claro que eu, você e todo mundo bate a cara contra o muro, mas cabe cada um de nós escolher entre choramingar ou prosseguir. Hoje eu vejo que a vida é simples e ela só que uma coisa de todos nós e essa se chama atitudes. Se tua atitude foi falha, paciência, uma hora tu acerta. É simples: nunca desistir. Se você desistir, meu caro, não é você que vai bater contra o muro e sim o muro contra você.”
Laura. (via revejo)

Posted 21 hours ago with 391 notes
Originally regou

“Amar dói tanto que você fica humilde e olha de verdade para o mundo, mas ao mesmo tempo fica gigante e sente a dor da humanidade inteira. Amar dói tanto que não dói mais, como toda dor que de tão insuportável produz anestesia própria…
Tati Bernardi  (via revejo)

Posted 21 hours ago with 17,029 notes
Originally auroriar

“Assim como nasceu meu amor por você, também morreu. De uma maneira ridícula. Eu lembro bem, cheguei na sua casa atrasada, perfumada e sem grandes intenções. E você me recebeu suado e sem graça porque, afinal de contas, era tudo mentira que sabia cozinhar. Pra piorar, a pizza chegaria em instantes, mas seu interfone estava quebrado. Você me olhou como uma criança que é pega fazendo arte e eu te amei loucamente. Naquele segundo, a chavinha virou pra direita e catapuft: te amei absurda e infinitamente. Eu tinha motivos reais, palpáveis e óbvios para te amar. Você é bonito, seu abraço é quente, seu sorriso tem mil quilômetros iluminados, seu humor me faria rir 100 encarnações e você é bom em tudo, mesmo não querendo ser bom em nada. Seu coração é gigante, tão gigante que você, por medo, prefere a superfície. Mas eu te amei, mesmo, por causa daquele segundinho, o segundinho que a chavinha virou para a direita. O segundinho da pizza e do interfone. E assim foi por quase dois anos. Eu me perguntava quando isso teria fim. Motivos profundos, nobres e óbvios para deixar de te amar também não me faltaram, mas nenhum deles foi suficiente ou funcionou. Você acompanhou com olhos humildes e humilhados todos os passos da sua ex naquela festa e eu continuei te amando. Você confundiu Chico com Vinicius e eu continuei louquinha por você. Você tinha aquele probleminha de não segurar o prazer e meu maior prazer sempre foi qualquer segundo ao seu lado. Você me largou sozinha naquele hospital, com a minha mãe sem saber se tinha ou não metástase, e foi para a praia com seus amigos bombados. E eu, no fundo, te perdoava, te entendia, te amava cada vez mais. Você me mandou embora da sua casa, do seu carro, da sua vida, da memória do seu computador, do seu celular e do seu coração. Você me deletou. E eu passei quase um ano quietinha, te esperando, rezando pra Santo Antônio te ajudar a ver que amor maior no mundo não poderia existir. Eu segui amando e redesenhando cada dobrinha da sua pele, cada cheiro escondido dos seus cantinhos, cada cílio torto, cada risada alta, cada deslumbre puro com a vida, cada brilho nos olhos quando o mar estivesse bonito demais. Cada preguiça, cada abandono, cada estupidez, cada limitação, cada bobeira. Amava seus erros assim como amava os acertos, porque o que eu amava, enfim, era você. CATAPUFT! E eu me perguntava, quase já sem agüentar mais, sem entender tamanha entrega burra, quando isso finalmente teria um fim. Quando minha coluna ia voltar a ser ereta, minha cabeça erguida e meus passos firmes? Quando eu iria superar você? E foi assim, sem avisar, por causa de um segundo sem grandes enredos, que a chavinha, catapuft, fez meia volta e virou para a esquerda. Me devolvendo a mim, me devolvendo à vida. Dissolvendo você no ar, trazendo cores, cheiros e possibilidades de volta. Matando o homem que eu mais amei na vida bem na noite de Natal. Enquanto todos comemoravam o nascimento de Deus, eu comemorava a sua morte. A morte de quem e para quem eu já tinha sido mais fiel, refém, escrava e discípula do que para qualquer outro deus. Era véspera de Natal e você me ligou. Meu coração se encheu de esperança, de pureza, de fé, de alegria. Do outro lado, sua voz nasalada e banal me disse, assassinando meu coração e se suicidando na seqüência: essa ligação não é uma recaída natalina, não, é apenas porque eu tava aqui, sem fazer nada, e pensei… quer trepar? Catapuft. Não, eu não quero trepar. Mas quer saber? Eu também não quero mais te amar. O menino da pizza e do interfone virou um homem solitário, infeliz e descartável. Catapuft. Pode parecer loucura, mas tirar você do meu peito foi o meu melhor presente que já ganhei.”
Tati Bernardi.   (via revejo)

Posted 21 hours ago with 3,480 notes
Originally s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r